Perguntas e respostas mais freqüentes

1 - Como é o clima nesta viagem?

    Nas montanhas temos uma variação bastante grande de temperatura dependendo da altitude onde estamos. Em Katmandu, a temperatura será agradável durante o dia, ao redor de 25 graus, caindo um pouco a noite. Durante o trekking, temos temperaturas agradáveis para caminhar durante o dia, mas ao cair do sol fará bastante frio principalmente nos vilarejos mais altos, quando podem chegar a menos 12 graus durante a noite. Como não chegamos ao lodge depois das 4 da tarde, nunca pegaremos essa temperatura, a não ser no dia do por do sol no Kala Patar. Mas, daí teremos o Everest na nossa frente e isso compensa qualquer frio…

2 – Como serão nossos transportes?

    Em Katmandu passearemos bastante a pé para melhor conhecermos a cidade, mas para algumas visitas usaremos taxis ou vans dependendo do tamanho do grupo. Nossa viagem para Lukla e de volta a Katmandu será em pequenos aviões para 20 pessoas. Apesar da sensação de fragilidade, esses aviões tem voado esta rota há vários anos sem acidentes e os pilotos são extremamente experientes.

3 – Como é nossa acomodação?

    Em Katmandu nos hospedaremos no Hotel Radisson (5*) ou outro hotel similar em quartos duplos com café da manhã. Caso você prefira, pode optar pelo quarto individual com um custo extra de US 800. Caso ao final do período de inscrição alguém ficar sem par para dividir um quarto, terá de pagar um suplemento de acomodação individual de US$ 400.

    Durante o trekking, nos hospedaremos em abrigos de montanha em pequenos quartos duplos. O banheiro normalmente é fora do prédio onde dormiremos e freqüentemente bastante básico. Não podemos garantir quartos individuais durante o trekking mesmo para aqueles pagaram o suplemento em Katmandu. Usamos os melhores lodges em cada vilarejo sendo que os requisitos usados para a escolha são limpeza, boa comida e hospitalidade. Os donos de todos os lodges são velhos amigos nossos e assim somos tratados durante nossa estadia.

4 – Porque usamos um hotel 5 estrelas em Katmandu quando no trekking vamos ficar em alojamentos simples?

    Depois de uma longa viagem internacional do Brasil ao Nepal é um alívio chegar a um bom hotel, confortável e silencioso fora do bairro turístico do Thamel que é muito interessante para passear, mas ruidoso e caótico para dormir. Também na volta do trekking, após duas semanas dormindo em alojamentos simples é delicioso voltar ao conforto de um bom hotel, afinal, depois de ter superado nosso desafio merecemos algumas boas noites de sono!

5 – Que roupas e equipamentos devo usar?

    Com nossa experiência de anos nesta trilha desenvolvemos uma completa lista de roupas e equipamentos para serem levados para o Nepal ou comoprados lá. Parte desta roupa pode ser deixada em Katmandu (o que não será útil na trilha), e o restante será colocada em um duffle bag (grande bolsa de cordura com ziper que pode ser comprada em Katmandu) e levada por nossos carregadores. No ato da inscrição você receberá uma cópia desta lista, assim como a indicação de onde comprar (Brasil ou Katmandu).

6 – Como este trekking é classificado em termos de dificuldade?

    O grau de dificuldade de uma trilha é bastante subjetivo. O que é uma trilha fácil para um, é impossível para outro dependendo da forma física, experiência, idade e mais do que tudo motivação. Apesar disso, de um modo geral, costuma-se classificar a trilha do campo base do Everest em grau médio de dificuldade. As distâncias percorridas a cada dia são pequenas, de um modo geral não mais de 10 quilômetros, a acomodação confortável, a comida boa e variada, e acredite, tudo isso influencia na maneira como você percebe a dificuldade de uma caminhada. Como fator de dificuldade, a altitude é grande e por muitos dias permanecemos acima de 4.000 metros. Também o frio dificulta um pouco, mas com bom equipamento, essa dificuldade é contornada. Como resumo, podemos dizer que uma pessoa saudável, em regular estado de preparo físico poderá fazer esta trilha sem maiores problemas. Recomendamos um preparo físico de pelo menos 3 meses para aqueles que são sedentários. Caminhadas, bicicleta e aparelhos como step nas academias são treinos efetivos para o que vamos enfrentar na trilha. Mas, mais do que tudo, desfrutar o que esta trilha nos oferece será o melhor incentivo para completar cada dia com um sorriso nos lábios.

7 - Quanto dinheiro devo levar?

    A alimentação em Katmandu é boa, variada e barata e com US$ 20 por dia comemos duas boas refeições. Taxas de embarque nos aeroportos e gorjetas não estão incluídas e o artesanato é bonito e barato. Importante: Nossa recomendação é levar o dinheiro dividido em Cartão de Débito (não é cartão de crédito, mas um cartão que possa ser retirado dinheiro em caixas eletrônicos lá), cartão de crédito normal (Visa ou Mastercard, eles não aceitam American Express) e Dólar ou Euro. Se levar dólares, lembrar que devem ser as notas novas, com as caras dos presidentes “grandes” e não as notas antigas. Também, de preferencia, que não contenham nenhuma rasura.

    Fora isso, durante o trekking gastaremos ao redor de US$ 3 a 4 por banho (todos os lodges oferecem banhos com água quente), recarga de eletrônicos (em média US$ 4,00 por hora), bebidas engarrafadas (não estão incluídas), telefone por satélite (US$ 3 por minuto) e a gorjeta de nossa equipe que recomendamos que seja de US 100 por pessoa. Além disso, ao chegar ao aeroporto tiraremos o visto do Nepal com um custo de US 40 (precisa uma foto 3x4). Precisa de três fotos 3x4 para a permissão de trekking.

8 - Por que exigimos que você, para participar desta viagem, tenha um seguro de viagem que cubra resgate por helicóptero?

    É tranqüilizante saber que, se algo acontecer, você pode ter tratamento gratüito nos melhores hospitais ou, se for o caso, ser transportado a um dos países vizinhos (Tailândia ou Cingapura) com melhor atendimento médico sem custo. Também sua bagagem está segurada no caso de extravio durante os vôos. Toda ocorrência deve ser comunicada o mais rapidamente possível à companhia de seguros. Leia com muita atenção seus direitos e deveres perante a seguradora para não haver problemas futuros.

    Além disso, a partir deste ano o Ministério de Turismo do Nepal exige que cada pessoa que fizer trekking no Nepal apresente um seguro de viagem que cubra o resgate por helicóptero.

9 – O Nepal é um país seguro?

    Violência é uma coisa pouco comum na Ásia como um todo e no Nepal ainda mais rara. Você poderá com tranqüilidade caminhar pelas ruas a qualquer hora do dia ou da noite. Aliás, esse é um dos aspectos surpreendentes de viajar pelo Nepal. Apesar da pobreza extrema do país e de seus habitantes, a doutrina do Karma, lei da Causa e do Efeito, seguida tanto por hindús como por budistas, desestimula a prática da violência como método de melhoria de suas condições de vida.

    Além disso, após longos anos de guerra civil (que nunca afetou os turistas), o Nepal está no momento em um processo de volta as condições normais político-sociais.

10 - E quanto às doenças?

    As condições de higiene em Katmandu são realmente precárias e muitas das doenças tropicais são prevalentes. Com algumas vacinas (Hepatite A e Febre Tifóide) e cuidados enquanto estivermos lá, o risco de ficarmos doentes será mínimo. Cuidado com a água e evitar saladas cruas e frutas com casca normalmente são medidas que evitam as doenças mais comuns. Recomendamos conversar com o seu médico sobre vacinação e fazer uma consulta a um dos serviços de Medicina dos Viajantes. Esses serviços são disponíveis no Laboratório Fleury (+55 11 319 0828 com o Dr Jessé) ou no Hospital Emílio Ribas de segunda a sexta feira das 12 às 17 horas (+55 11 3896 1400 com a Dra Tânia). Durante a trilha evitamos comer carne fresca já que as condições de transporte e armazenamento são précarias. Para aqueles que sentem muita falta de carne, sugerimos levar salames ou carnes embutidas que se conservem sem refrigeração. Atum enlatado é disponível em quase todos os lodges, assim como alimentos preparados com atum.

11 – Como são os abrigos de montanha onde dormiremos e comeremos?

    A cada ano que passa os abrigos estão ficando mais confortáveis. De um modo geral são construções de pedra e madeira de dois andares. No andar de baixo ficam a cozinha e a sala de refeições. Nesta sala existem mesas e bancos cobertos de tapetes tibetanos e uma salamandra que é ligada ao redor das 17 horas deixando a sala aquecida. No andar de cima são os quartos, cada um com duas camas razoavelmente estreitas com travesseiros. Os quartos não são aquecidos. O banheiro que tradicionalmente era fora, em uma pequena casinha de madeira e com um buraco no chão (sem muito mau cheiro ou moscas devido ao frio e a altitude), hoje mais e mais está dentro do abrigo e com privada de louça. Também o chuveiro costumava ser fora (e em alguns abrigos ainda é) com um balde acima do teto onde era colocado 20 litros de água quente. Mais uma vez, isto está mudando e com mais frequência são dentro da casa e aquecidos a gás. É possível tomar banho em todos os abrigos com exceção de Gorak Shep, nossa noite mais alta. Mas, devido ao frio e o fato do ar ser muito seco, não há necessidade de banho todos os dias.

12 – Este trekking é muito desconfortável?

    Apesar de estarmos em uma região bastante remota, procuramos deixar a caminhada o mais confortável possível, afinal são 15 dias nas montanhas e a maior parte das pessoas não está acostumada a trekkings tão longos. Você entregará todos os dias pela manhã seu duffle bag com todo seu equipamento aos nossos carregadores e caminhará com apenas uma mochila de 30 a 50 litros com sua máquina fotográfica, um litro de água, filtro solar e labial, anorak (corta vento), alguns snacks e as roupas que, pela manhã, orientaremos para você levar. Nossos carregadores e sherpas estão sempre atentos a nossas necessidades e terão o maior prazer em levar também esta pequena mochila caso você esteja cansado ou tenha algum problema de coluna.

    Neste trekking usamos abrigos de montanha e não barracas, o que acrescenta um considerável grau de conforto. À noite sempre estaremos dentro da sala de refeições que é aquecida e a comida é saborosa e variada. Existe também a possibilidade de banhos diários com água aquecida. E, como um toque extra de conforto, nas noites acima de 4.000 metros (Dimboche, Lobuche, Gorak Shep), você ganhará uma bolsa de água quente para colocar no seu sleeping bag antes de ir dormir de modo que ao entrar nele já estará aquecido e assim se manterá por várias horas durante a noite.

    Também o fato de você não estar isolado devido ao fato de levarmos conosco um telefone por satélite e disponibilizarmos seu uso (a um custo de US$ 3 por minuto) ajuda a deixar-nos mais a vontade para um trekking longo.

13 - Como faço para tirar o visto e quanto custa?

    O visto do Nepal deve ser tirado no aeroporto de Katmandu na chegada e custa US 40,00. Levar uma foto 3x4 para o visto e duas fotos 3x4 para a permissão de trekking.

14 – E se eu quiser fazer uma extensão ao Tibete ou a Índia?

    Se você  tem alguns dias a mais de férias não perca a oportunidade de conhecer Lhasa, a capital do Tibete, com seus maravilhosos monastérios ou então algumas das mais importantes cidades da Índia do ponto de vista do turista como Varanasi, Kajurajo, Agra e Delhi. Entre em contato com seu agente de viagens e ele lhe oferecerá uma dessas maravilhosas opções.

15 – Existe algum limite de idade?

    Devido ao fato de que crianças têm maior predisposição a desenvolver Mal de Altitude recomendamos não levar crianças de menos de 13 anos a este trekking. Teremos o maior prazer em recomendar lindos trekkings a regiões com altitudes mais moderadas ideais para famílias. Quanto ao outro lado do espectro de idade, recomendamos que pessoas com mais de 50 anos visitem seu médico e que façam uma avaliação cardiológica antes de fazerem o trekking.

16 – E se eu tiver alguma doença crônica como hipertensão ou diabetes?

  •  
  • De um modo geral doenças crônicas controladas não são impedimento para fazer o trekking, mas recomendamos fortemente que a pessoa consulte seu médico e que discuta com ele sobre se este trekking é uma atividade adequada para ela. Estamos à disposição para dar ao seu médico todas as informações que ele necessite sobre o trekking para ele tomar sua decisão. Entre em contato conosco.

17 – Posso fazer ligações internacionais ou ter acesso a internet durante o trekking?

Levamos conosco um telefone por satélite e disponibilizarmos seu uso a um custo de US$ 3 por minuto. Em Lukla, Namche Bazaar, Deboche, Dimboche e Gorak Shep tem serviço de internet a um custo US$ 0,30 por minuto.

18 – Posso recarregar os meus eletrônicos durante o trekking?

Todos os lodges tem eletricidade através de pequenas hidroeletricas ou através de gerador. O custo é alto, ao redor de US 4 por hora de recarga em média. Conforme a máquina, vale mais a pena trazer baterias extras.

19 - E se eu tiver outras dúvidas?

    Sabemos que antes de se inscrever para uma viagem como esta é natural que as pessoas tenham várias dúvidas. Se você tem alguma que não foi esclarecida acima, por favor, não hesite em entrar em contato com seu agente de viagens ou conosco através da web page www.morgadoexpedicoes.com.br ou do email viagens@morgadoexpedicoes.com.br

Na web page, além da nossa programação, você encontrará boletins de onde Manoel Morgado tem andado nos últimos cinco anos. São mais de 70 boletins relatando sua vida pelos vários continentes e descrevendo as várias atividades, trekkings, escaladas em neve e gelo, vela e viagens culturais por lugares incríveis, que são suas paixões.